closer e the grand budapest hotel

Closer
O Closer é uma peça cinematográfica que olha de perto para as fraquezas do ser humano e para os problemas das relações amorosas contemporâneas. Um roteiro que se aproxima da vida real marcado por traições, relacionamentos e relações sexuais entre quatro personagens - que juntas formam uma quadrado amoroso que percorre toda a narrativa. Um jornalista fracassado (Dan) cruza-se por acaso com Alice, uma stripper. Passado algum tempo, Dan conhece Ana - uma fotógrafa - e apaixona-se. Entretanto, Ana envolve-se com Larry, um médico e quando damos por isso já Alice e Larry sentem uma enorme atracção um pelo outro. Não é confuso, é dinâmico, frenético - com avanços longos ou curtos no tempo - e prende-nos ao ecrã. É imprevisível, como o amor e as relações. O maior traço do filme são as personalidades fortes que acabam por definir discursos vincados, marcantes, livres de pudores e sem paninhos quentes. Os diálogos são agressivos e fazem com que filme mereça bolinha vermelha - mesmo sem haver cenas de sexo ou de nudez. [isto foi uma das coisas que achei mais interessantes no filme]
É um filme sincero, muito bem definido e sem pós mágicos. É um jogo de amor-ódio, um tabuleiro onde relações quase doentias se defrontam e onde há espaço para vários comportamentos incorrectos mas reais e humanos - e onde o amor verdadeiro não entra. Esta peça tem ainda um elenco de luxo e uma das personagens femininas mais interessantes - e com mais mistério, com mais sensualidade e polémica - da história do cinema com Alice, interpretada por Natalie Portman. Para terminar tenho de referir a música The Blower's Daughter do Damien Rice que tão bem emoldura este filme em alguns momentos.
The Grand Budapest Hotel
O The Grand Budapest Hotel é como aqueles bolos que de tão bonitos e decorados que são nem dão vontade de comer. O Wes Anderson é provavelmente um dos meus realizadores de cinema preferidos. Planos perfeitamente simétricos, alinhados ao milímetro e preenchidos com cores ricas ou tons pastel são marca do realizador e traços que me deixam agarrada ao ecrã a observar cada frame meticulosamente. Os filmes deste senhor são os melhores para quem tem um ligeiro transtorno obsessivo-compulsivo, está tudo no sítio perfeito no tempo perfeito. Mas o The Grand Budapest Hotel não é apenas um boa fotografia e uma realização exemplar, é também uma história épica.
Na República de Zubrowka - uma país fictício da Europa - existe um luxuoso e excêntrico hotel, o hotel Grande Budapeste. A narrativa decorre no ano de 1930 em torno de Gustave, o recepcionista do hotel conhecido por receber os melhores hóspedes da melhor maneira, e de Zero, o mais receite bagageiro do hotel. Tudo está tranquilo até que Gustave é acusado do homicídio de uma das fiéis clientes do hotel - e sua amante - e do roubo de uma obra de arte valiosa. Para provar a sua inocência e salvar o hotel da ruína o recepcionista irá contar a ajuda de Zero - que se tornou no seu único amigo de confiança.
Este filme é uma pequena aventura salpicada de pequenos crimes, personagens peculiares e cenários elegantemente extravagantes. Uma comédia vincada e de estilo próprio onde há espaço para histórias de amor e onde ainda se toca ao de leve nas mudanças que a guerra provocou na Europa nos anos 20.
Já viram algum destes filmes?

Share:

6 Comentários

  1. Fiquei muito curiosa para ver Closer - e tenho mesmo de ver. E O Grand Budapeste vi aquando da sua nomeação para os Óscars e achei delicioso. Wes Anderson e Tim Burton dos melhores :D

    Beijinhooo
    Rtissima Blog

    ResponderEliminar
  2. Fiquei super curiosa em relação a ambos! Sem dúvida a ver em breve! ♥
    https://keepcalmandshopvintage.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Ainda não vi nenhum mas tenho curiosidade em ver todos.
    Beijinhos
    http://virginiaferreira91.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Durante o decorrer do closer achei-o estranho e confuso, mas um bom estranho e confuso. É de certo modo simples, mas real e tem um final que nos dá uma grande lição

    ResponderEliminar
  5. O The Grand Budapest Hotel é, sem dúvida, um dos meus filmes favoritos por toda a sua beleza. A combinação de cores, a forma como é gravado... uma autêntica obra de arte.
    https://stateofgracebymargarida.blogspot.pt/

    ResponderEliminar