o espírito selvagem da Dior.

A inspiração foram as pinturas rupestres das grutas de Lascaux na França - muito adoradas pelo próprio Christian Dior - e a partir daí Maria Grazia Chiuri construí uma colecção de traços primitivos, de cores térreas e de espírito selvagem. O desfile aconteceu ao ar livre, no meio da natureza deserta de Los Angeles à hora do pôr-do-sol e com dois grandes balões de ar quente ao fundo. As tendas e as pequenas fogueiras fizeram do cenário um verdadeiro acampamento selvagem que se podia localizar entre os primórdios da humanidade e o faroeste americano. Aliás, toda a colecção se formou em volta destes dois traços. Por uma lado as peças tinham padrões primitivos naquilo que era uma interpretação artística das pinturas de animais das caves de Lascaux e por outro as modelos usavam todas chapéus de cowboy e traças selvagens. Além disso, houve franjas, pêlo, detalhes em cabedal, ponchos de mil e uma formas e tons quentes. 
Os vestidos mantiveram a linha em A, o corpete e o comprimento maioritariamente médio como é característico da marca. E claro que os modelos transparentes e em tule tão adorados pela Maria Grazia Chiuri também tiveram o seu espaço na colecção mas desta vez ganharam bordados diferentes, menos românticos e mais pré-históricos. No fundo, tivemos uma "Dior Sauvage" numa homenagem perfeita ao passado. O que acharam da colecção, gostaram ou nem por isso?

Share:

2 Comentários

  1. Que máximo!

    Um beijinho,
    Mónica Rodrigues dos Santos
    http://cupcakewomen.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Já tinha espreitado a apresentação e pessoalmente adorei! Sei que as opiniões se dividem mas achei espectacular!

    THE PINK ELEPHANT SHOE // INSTAGRAM //

    ResponderEliminar